Simone Silva, que trabalha com coleta de material reciclável há 15 anos, tem sentido os reflexos da falta de material para trabalhar e pede doações para conseguir alimentar os quatro filhos (Foto: Fernando Priamo)

Segundo a Prefeitura, pelo menos 51 famílias dependem do serviço em JF. Diminuição do volume de resíduos coletados tem gerado dificuldades financeiras para trabalhadores e entidades

Os catadores de materiais recicláveis de Juiz de Fora têm enfrentado dificuldades financeiras em razão da diminuição da quantidade de materiais recicláveis durante a pandemia de Covid-19. Desde a suspensão da coleta seletiva realizada pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (Demlurb), em março do ano passado, o volume de material coletado caiu drasticamente, afetando a renda dos trabalhadores e das associações de catadores. Em busca de ajuda financeira, as entidades procuraram a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) e estão pedindo doações para ajudar as cerca de 50 famílias que dependem financeiramente da coleta seletiva na cidade.